Caculeense, diretor do HCC, faz apelo à população da Região Sudoeste


 

Felipe Nery / Diretor do Hospital de Clínicas de Conquista-HCC

 

Diante de um cenário mundial onde a pandemia continua a assolar países e fazer vítimas fatais, a Bahia enfrenta o coronavirus da forma como pode, e com as armas que dispõe.

Vitória da Conquista, considerada a capital do sudoeste baiano, é um dos polos que recebe pacientes com coronavirus de vários locais do Estado, inclusive de Caculé e região.

Desde o início da pandemia a cidade vem recebendo pacientes e tratando-os nas vagas de UTI e leitos clínicos que foram especialmente preparados para atendimento exclusivo a pacientes Covid.

Dos leitos destinados à pandemia, 20 de UTI e 20 clínicos estão no HCC, hospital administrado pelo caculeense Felipe Nery.

Segundo Nery: “Desde que a pandemia começou, esse é o pior período que estamos passando aqui no hospital. Nunca tivemos um percentual tão grande de leitos de UTI ocupados por tanto tempo.”

Há alguns dias não só o HCC, mas todos os hospitais de Conquista, que atendem a Covid, estão com lotação acima de 85%. Alguns permanecendo com lotação de 100% por dias seguidos.

Para Felipe, falta à população o entendimento de que não há mais vagas nos hospitais, e corremos o risco de ter uma superlotação, situação em que as pessoas acabam morrendo na fila, aguardando vaga na UTI. “A população precisa entender que a pandemia ainda não acabou, na verdade ela está agora em seu pior momento. Se você tem amor a sua família e a sua vida deve permanecer em casa. Deixe a confraternização para depois. Deixe aquela saída para desestressar para outro dia. Você terá muito tempo para fazer isso no futuro. Mas só terá esse tempo se estiver vivo. E para estar vivo, precisa se proteger agora.” finalizou Nery.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não reflete a opinião deste site. Todos os comentários são moderados e nos reservamos o direito de excluir mensagens consideradas inadequadas com conteúdo ofensivo como palavrões ou ofensa direcionadas a pessoas ou instituições. Além disso, não serão permitidos comentários com propaganda (spam) e links que não correspondam ao post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *