Vacina brasileira contra a Covid-19 entra em fase de testes em animais


Pesquisadores do Brasil que desenvolvem uma vacina contra o coronavírus Sars-Cov-2, o vírus responsável pela doença Covid-19, anunciaram que o estudo entrou em uma nova fase pré-clinica. A imunização, que segue um modelo diferente do empregado em outros países será testada em camundongos.

O projeto é liderado por cientistas da Faculdade de Medicina da USP e pelo Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor). A pesquisa é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Após esta fase dos estudos chamados “pré-clínicos”, os pesquisadores poderão começar a testar a vacina em voluntários humanos. É neste momento que se identifica qual é a concentração capaz de introduzir uma resposta rápida e duradoura do sistema imunológico da vacina em animais.

“Já conseguimos desenvolver três formulações de vacinas que estão sendo testadas em animais. Em paralelo, estamos formulando diversas outras para identificar a melhor candidata”, disse Gustavo Cabral, pesquisador responsável pelo projeto à agência Fapesp.

As partículas usadas na vacina são induzidas a carregar fragmentos do novo coronavírus e, assim, gerar uma resposta do corpo humano com segurança. O modelo escolhido pelos brasileiros é diferente de outros internacionais que usam as vacinas baseadas fundamentalmente em mRNAm (RNA mensageiro).

Esse modelo deve demorar mais tempo e leva em conta uma multiplicidade de fatores que faz com que muitas vezes a vacina obtida não seja eficaz. Há desenvolvimento de vacinas em andamento nos Estados Unidos, na Alemanha, na Austrália e na China.


Urandi: Avanço do coronavírus também atinge profissionais da saúde, diz prefeito Dorival Barbosa


 

Com 73 casos positivos do novo coronavírus, a cidade de Urandi, também vive o drama de ter profissionais da saúde atingidos pela doença. Em entrevista ao site Achei Sudoeste, o prefeito do município, Dorival Barbosa do Carmo (PP), relatou que, no total, três mulheres profissionais da saúde foram infectadas no município. Uma delas desenvolveu um quadro um pouco mais grave, porém todas estão estáveis. “Hoje, temos no hospital uma técnica de enfermagem internada com o coronavírus. Ela é uma jovem obesa. Desenvolveu um quadro mais grave, mas está respirando sem a ajuda de aparelhos. Está estável do ponto de vista clínico. Optei em mantê-la internada os 14 dias por ser uma funcionária do próprio hospital e por ela ter pais idosos”, afirmou.

O gestor informou ainda que o Município criou um centro de referência municipal para atendimento aos pacientes com síndrome gripal, onde existe uma estrutura específica para atendimento a pacientes com sintomas característicos do coronavírus. Nesse centro, segundo relatou, duas profissionais de saúde – técnica de enfermagem e enfermeira – também foram contaminadas. “São pessoas jovens. Elas foram colocadas em isolamento e nós estamos fazendo os contatos necessários. Apesar de fazerem uso dos equipamentos de proteção individual, ainda se contaminaram. Esse vírus é um inimigo invisível, difícil de combater. Acredito que só vai haver uma melhora, quando boa parte da população pegar e criar anticorpos”, avaliou.

Atualmente, no Hospital Municipal foram montados dois leitos de semi-UTI com dois respiradores para atendimento a casos graves.

Fonte: Achei Sudoeste


Mulher de 103 anos comemora cura da Covid-19 bebendo cerveja


Muitos idosos em todo o mundo se recuperaram do coronavírus nos últimos meses, gerando esperança durante a pandemia. A polonesa Jenny Stejna, de 103 anos, demonstrou toda sua força e venceu a Covid-19.

Nascida em 1917, Stejna mora em um lar de idosos no leste europeu. Há três semanas, a polonesa foi a primeira a testar positivo para a Covid-19 em sua casa de repouso. Com febre baixa, foi transferida para uma ala separada e chegou a ficar em situação grave.

No dia 13 de maio, Stejna se recuperou. Para celebrar, os funcionários do lar ofereceram-lhe uma cerveja gelada. De acordo com a família, beber cerveja e ver futebol é um dos hobbies de Stejna.

Informações G1


Azaleia demite 600 funcionários de fábrica de calçados em Itapetinga


Em torno de 600 funcionários de uma fábrica da Azaleia em Itapetinga, no Médio Sudoeste, devem ser demitidos. As dispensas devem começar nesta sexta-feira (29). Segundo informou o Sindicato dos Calçados de Itapetinga à TV Sudoeste, o motivo principal alegado para as demissões são custos no transporte dos funcionários que moram em outras cidades da região, como Macaraní, Itambé, Itororó, Firmino Alves e Caatiba.

O sindicato ainda afirmou que a empresa negociou as dispensas e disse que vai pagar direitos trabalhistas aos funcionários demitidos. Ainda segundo a representação sindical, um acordo coletivo prevê que serão mantidos os empregos de trabalhadores que queiram residir em Itapetinga ou ir ao trabalho arcando com os custos do transporte. Nestes casos, a empresa também destinaria um ajuda de custo mensal de R$ 140 durante seis meses.

Em nota, a Vulcabras Azaleia confirmou os desligamentos. “Não é segredo que a pandemia está atingindo forte e negativamente a economia e o setor de calçados”, diz trecho da nota.


A Bahia registra 14.566 casos confirmados de coronavírus​ e 4.680 recuperados


A Bahia registra 14.566 casos confirmados de coronavírus (Covid-19), o que representa 15,38% do total de notificações no estado. Os 18 óbitos contabilizados no boletim epidemiológico desta terça-feira (26) referem-se a um período de 20 dias, conforme observado nos perfis detalhados. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) determinou que a Auditoria do Sistema Único de Saúde (SUS) e a Corregedoria apurem as responsabilidades, bem como as circunstâncias que levaram a notificações tardias aos órgãos de vigilância.​
Considerando o número de 14.566 casos confirmados, 4.680 recuperados e 495 óbitos, 9.391 pessoas permanecem monitoradas pela vigilância epidemiológica e com sintomas da Covid-19, o que são chamados de casos ativos. Na Bahia, 2.158 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19.​
Os casos confirmados ocorreram em 258 municípios do estado, com maior proporção em Salvador (63,57 %). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 1.000.000 habitantes foram Uruçuca (4.532,38), Ipiaú (4.098,27), Itabuna (3.658,14), Salvador (3.166,05) e Ilhéus (2.833,79).​
O boletim epidemiológico registra 37.852 casos descartados e 94.689 notificações em toda a Bahia. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17h30 desta terça-feira (26).​