Igreja evangélica promete ‘imunização’ contra coronavírus e pode ser enquadrada por ‘charlatanismo’


O Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul classificou como passível de enquadramento em crime de “charlatanismo ou curandeirismo” a Igreja Catedral Global do Espírito Santo autoproclamada “Casa dos Milagres“. A instituição estava prometendo uma “imunização” contra o coronavírus por meio de um “óleo consagrado”. A celebração faz parte do culto chamado “O Poder de Deus contra o Coronavírus“. A doença tem dois casos confirmados no Brasil e outros 433 casos suspeitos no país.

No último domingo (01/03), o culto foi transmitido ao vivo nas redes sociais da igreja e conduzido pelo autoproclamado profeta Sílvio Ribeiro, responsável pelo local. A instituição pede que os fiéis vão à igreja “porque haverá unção com óleo consagrado no jejum para imunizar contra qualquer epidemia, vírus ou doença”.
Durante o culto de quase três horas, Sílvio comentou diversas vezes sobre o Covid-19. Em uma dessas situações ele chegou até mesmo a debochar da situação. “Mas a unção com óleo vai curar coronavírus?”, questionou. Logo depois, o profeta respondeu que Deus pode curar tudo.
Ribeiro também relacionou a doença a uma das profecias do apóstolo João, descrita no livro bíblico Apocalipse. Nessa hora, disse que era tempo de as pessoas pedirem perdão pelos pecados e procurarem uma igreja para serem salvas da doença.

Denúncia

O presidente do Conselho Regional de Medicina do RS (Cremers), Eduardo Trindade, acionou a assessoria jurídica da entidade para avaliar o tipo de providência mais adequada diante do anúncio de imunização feito pela igreja.
De acordo com a promotora Angela Rotunno, coordenadora do Centro de Apoio de Defesa dos Direitos Humanos do MP do Rio Grande do Sul, “é comum o ser humano se sentir desesperado e desamparado, diante da doença e da possibilidade de morte”.
“Essa fragilidade emocional afasta a racionalidade e traz, como consequência, a facilidade em acreditar em qualquer promessa de proteção ou cura. É o que está acontecendo no momento. Pessoas inescrupulosas tentam obter vantagem desse desalento”, continuou a promotora.

Epidemia ignorada: Brasil tem 57,4 mil casos de dengue em um mês


Os brasileiros, atualmente, estão muito preocupados com o Coronavírus, um novo vírus que ataca o sistema respiratório e se espalhou a partir da região de Wuhan, na China, e foi classificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como emergência internacional.

O número de casos confirmados de Covid-19 (Coronavírus), doença provocada pelo novo coronavírus, subiu na China para 59,8 mil, de acordo com o balanço divulgado nesta quinta-feira (13).

Ao todo, 1.368 pessoas morreram por Covid-19, incluindo um caso no território semiautônomo de Hong Kong. Duas mortes foram registradas fora do país: nas Filipinas, em 2 de fevereiro; e no Japão, nesta quinta.

O que muitos brasileiros não sabem é que o Brasil vive uma epidemia de dengue com números bem parecidos. De 29 de dezembro de 2019 a 25 de janeiro deste ano, foram notificados 57.485 casos prováveis (taxa de incidência de 27,35 casos por 100 mil habitantes) de dengue no país. O dado é do último Boletim Epidemiológico, divulgado pelo Ministério da Saúde agora em fevereiro.

O número é levemente superior ao mesmo período do ano passado e quase o triplo do mesmo período de 2018. A situação, que já é preocupante, ainda pode piorar, visto que historicamente o pico da dengue costuma ocorrer no mês de abril, em razão do período chuvoso.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou em entrevista ao El País que “você tem muito mais chance de morrer de dengue no Brasil, hoje, do que de coronavírus”. A pasta que ele comanda confirma nove óbitos pela doença neste ano e contabiliza 41 ainda em investigação.

A quantidade de pessoas que morreram de dengue neste ano pode ser bem maior, conforme dados mais atualizados das secretarias estaduais. O Paraná, sozinho, confirma seis óbitos somente na última semana (entre 4 e 10 de fevereiro) — eles ainda não foram contabilizados no boletim do Ministério da Saúde.

O avanço da dengue tem preocupado gestores municipais, que pedem ao Governo federal e à população que não reduzam a atenção ao enfrentamento do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, diante do pânico que tem sido gerado com a expansão do coronavírus no mundo.

O avanço de casos de dengue é comum no início do ano por conta das chuvas, que aumentaram nas últimas semanas. A diferença deste momento é que o país vive um novo surto da doença, algo que historicamente acontece entre dois e três anos por conta da recirculação de novos tipos de vírus, segundo especialistas.

Os Estados do Acre, do Mato Grosso do Sul e do Paraná são os que têm apresentado maior incidência proporcional da doença. Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, esses são os três estados que superaram 100 casos por 100.000 habitantes no país. Desde o início do ano, a pasta vem alertando para a possibilidade de surto em 13 estados.

São Paulo concentra um terço dos casos prováveis de dengue do país em números absolutos. O Estado confirmou 10.890 casos em janeiro, enquanto o Ministério da Saúde contabiliza 18.658 casos prováveis. Várias cidades do estado, como Sorocaba, Lorena e Ribeirão Preto, já decretaram epidemia.

Os principais cuidados para evitar a doença são impedir a formação de poças em casa e limpar reservatórios de água. Além disso, é recomendável que, ao visitar locais de mata, faça-se uso de repelente.


Governo da Bahia desconta salário de professores por paralisação, diz APLB


 

O Governo do Estado da Bahia resolveu descontar o salário de alguns professores que aderiram à paralisação de dois dias, ocorrida em 18 e 19 deste mês.

A informação foi divulgada pela APBL Sindicato, que promete manifestações na sede da Secretaria de Educação do Estado da Bahia, na capital, e nos Núcleos Territoriais de Educalção (NTE’s), pelo interior do Estado.

A entidade classificou a medida como uma ação truculenta do Governo do Estado da Bahia contra a categoria. “A educação exige respeito. Não iremos aceitar essa tentativa de retaliação. O governo do estado terá que devolver os valores que foram descontados. Vamos seguir firmes na luta”, afirmou o coordenador-geral da APLB, o professor Rui Oliveira.

Fomos surpreendidos e repudiamos essa ação truculenta e violenta contra os professores e coordenadores do Estado. Vamos reagir imediatamente e tomaremos as providências cabíveis. O governador vai ter que devolver estes valores aos trabalhadores. Não iremos recuar, diante de ação tão desrespeitosa contra a categoria, pois professor é para brilhar e não morrer de fome”, complementou.

Nem o Governo nem a Secretaria de Educação se manifestam sobre o assunto.


Conquista: Hospital de Base será a primeira unidade pública a realizar Quimioterapia Intraperitoneal Hipertérmica na Bahia


Com as datas já marcadas para os dias 27 e 28 de fevereiro, o Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC) será primeiro hospital público a realizar o procedimento de Quimioterapia Intraperitoneal Hipertérmica (HIPEC) da Bahia.

A HIPEC é um tratamento que utiliza a quimioterapia de forma altamente concentrada e aquecida. Ela é aplicada diretamente no abdome durante a cirurgia citorredutora, diferenciando-se da quimioterapia convencional por ser administrada diretamente nas células tumorais do abdome, com baixa absorção sistêmica, o que permite o uso de doses mais concentradas da medicação. O aquecimento da solução (38º a 42ºC) aumenta a absorção do tratamento pelo tumor, destruindo assim as células que restaram após a cirurgia citorredutora.

O procedimento é realizado por cirurgião oncológico habilitado, com acompanhamento de oncologista clínico e equipe multidisciplinar, sendo indicado, principalmente, em tumores pseudomixoma peritoneal e Mesotelioma Abdominal.

 

Informações  Blog do Rodrigo Ferraz


Com caso de coronavírus confirmado em SP, começa a faltar máscaras em lojas e farmácias


Com o primeiro caso do novo coronavírus confirmado em São Paulo, a busca por máscaras cirúrgicas ou higiênicas e álcool gel fez os itens sumirem de farmácias e esgotarem o estoque de uma distribuidora. Além do caso confirmado, há outros 20 casos em investigação e 59 suspeitas já foram descartadas no Brasil.

O Ministério da Saúde afirmou nesta quarta-feira (26) que está comprovado o caso positivo de coronavírus no Brasil. Trata-se de um homem que mora em São Paulo, tem 61 anos, e veio da Itália. Esse é o primeiro caso da doença no país e em toda a América Latina.

A distribuidora Adecil informou que o estoque foi zerado nesta quarta. Mais de 15 mil máscaras foram vendidas pela internet. Álcool gel também está escasso em alguns pontos de venda. Homem de 61 anos que viajou para a Itália é o primeiro caso de coronavírus no país.