Em ato do PT, irmão de Ciro diz que partido vai perder “feio” a eleição


“Tem de pedir desculpas, tem de ter humildade e reconhecer que fizeram muita besteira”, disse Cid Gomes Foto: Tatiana Fortes/ O POVO

O irmão do candidato derrotado a presidente Ciro Gomes (PDT) e senador recém-eleito pelo Ceará, Cid Gomes (PDT), discutiu com manifestantes durante ato de lançamento da campanha de Fernando Haddad (PT), em Fortaleza, na noite desta segunda-feira (15). Ele disse que o PT vai “perder feio a eleição”, e que isso é merecido pelos erros cometidos pelo partido à frente da Presidência.

“Tem que fazer um mea-culpa, tem pedir desculpa, ter humildade e reconhecer que fizeram muita besteira, é assim”, disse, sendo xingado por um dos participantes.

“Pois tu vai perder a eleição, não admite o mea-culpa. Os erros que cometeram é para perder a eleição (…) porque fizeram muita besteira, porque aparelharam as repartições públicas, porque acharam que eram dono de um país, e o Brasil não aceita ter dono, é um país democrático”, afirmou, sob vaias do público.

Antes de se irritar com os militantes presentes ao hotel de luxo, Cid chegou a falar ao público e foi bastante aplaudido ao elogiar Haddad e dizer que vota nele “com muito prazer.” O problema do irmão de Ciro Gomes com a plateia começou a ocorrer quando ele cobrou um pedido de desculpas do partido e reconhecimento pelos erros cometidos na Presidência.

Cid Gomes foi convidado para ser o primeiro a falar, mas acabou se irritando e “culpou” o PT pelo sucesso de Jair Bolsonaro (PSL).

“Quem criou Bolsonaro foram essas figuras, que se acham donos da verdade, que acham que podem fazer tudo, que acham que os fins justificam os meios. Muito bem, eu me calo numa boa. Não sei porque me pediram para falar antes”, disse,

Após essa fala, a plateia puxou o tradicional grito de olê, olê, ole, olá, Lula, Lula. Nesse momento, Cid voltou a atacar um dos participantes do ato. “O Lula tá preso, babaca. E vai fazer o quê? Babaca, babaca! Isso é o PT, e o PT desse jeito merece perder, só pra rimar. É esse sentimento que vai perder a eleição”, concluiu.


Pesquisa BTG Pactual: Bolsonaro lidera com 59% dos votos válidos; Haddad tem 41%


O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, continua na liderança das intenções de voto para o segundo turno, segundo pesquisa BTG Pactual divulgada nesta segunda-feira (15).

Segundo o levantamento, Bolsonaro tem 59% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad (PT) aparece com 41%, uma vantagem de 18 pontos percentuais. Os votos válidos excluem do cálculo os brancos e nulos. Essa é a modalidade de contagem utilizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para declarar o vencedor de uma eleição.  Já nos votos totais, que incluem brancos e nulos, o capitão da reserva tem 51%, enquanto Haddad registra 35%. Veja o resultado abaixo:

Votos totais (estimulada)
Jair Bolsonaro – 51%
Fernando Haddad – 35%
Branco e Nulo – 5%
Ninguém – 6%
Não sabe/não respondeu – 3%

A pesquisa ainda mediu a rejeição dos candidatos, ou seja, quem o eleitor não votaria de jeito nenhum. Neste cenário, Haddad lidera, com 53% de rejeição. Bolsonaro possui 38%.

O levantamento ouviu 2 mil eleitores, entre os dias 13 e 14 de outubro, em 26 estados e no Distrito Federal. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. O levantamento foi registrado no TSE sob o número BR-07950/2018.


‘Quem fugiu da disputa com medo de perder o foro foi Wagner’, diz Paulo Azi


O deputado federal Paulo Azi (DEM) reagiu aos ataques feitos pelo ex-governador Jaques Wagner (PT) ao prefeito ACM Neto (DEM), durante coletiva realizada na tarde desta quarta-feira (10). “Primeiro que quem fugiu da disputa foi Wagner que, convocado pelo presidiário Lula para ser o candidato petista à presidência da República, recusou com medo de perder a eleição, o foro privilegiado e ser preso a qualquer momento”, declarou o parlamentar. O democrata lembrou que o ex-governador baiano é um dos alvos da Operação Lava Jato. “Ele que está sendo investigado pela Lava Jato por corrupção e ganhou relógios de presente de empreiteiro sustentado pelo contrário milionário da Fonte Nova e outras benesses investigadas. Aliás, como ainda não tomou posse como senador, pode ser preso a qualquer momento, como tem acontecido com ex-governador Brasil adentro”, afirmou o democrata. Azi disse que o principal projeto político de Wagner como coordenador da campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência é garantir o indulto aos presos na Operação Lava Jato. “O prefeito ACM Neto, ao contrário de Wagner, faz política com seriedade, ética e postura. Não é denunciado, não responde a qualquer investigação por corrupção e não se corrompeu ou foi corrompido. Aliás, por isso que nós do Democratas nunca poderíamos apoiar este projeto nefasto para o país que é representado por Haddad e pelo PT”, declarou o deputado


Wagner diz que PT pode abrir mão de candidatura ao governo em 2022


Senador eleito quer que candidato ao governo na próxima eleição seja “mais novo” do que Rui Costa O senador eleito Jaques Wagner disse que o PT pode abrir mão de uma candidatura ao governo da Bahia em 2022, quando vai ocorrer a sucessão do governador reeleito Rui Costa (PT). “Ninguém abre mão de poder de graça. Abre mão de poder por uma estratégia política. Eu sempre disse que completado 16 anos chega a hora de eventualmente ceder. Evidentemente, tem que construir uma relação de confiança. Com isso, não estou interditando o PT, mas não acho que é obrigatório [ter uma candidatura]”, afirmou, em entrevista coletiva. O ex-governador da Bahia ressaltou ainda que, “se depender” dele, o nome para o Palácio de Ondina será “mais novo” do que Rui Costa, que tem hoje 55 anos e vai terminar o mandato com 59.


Líder do Governo na alba, Zé Neto do PT, lamenta não reeleição do Deputado Luciano Ribeiro


Sem conseguir se reeleger deputado estadual no último domingo (7), Luciano Ribeiro (DEM) estará fora da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) e da liderança da oposição da Casa a partir de 2019. Sem mandato, o ex-prefeito de Caculé declarou que deve se dedicar à advocacia e ainda não tem planos para redisputar a prefeitura da cidade em 2020.

Com um pouco mais de 42 mil votos, Ribeiro não ficou entre os 70 postulantes mais votados neste ano. A bancada de minoria liderada por ele também sofreu derrotas e foi a que mais diminuiu na Assembleia.

De 20 cadeiras conquistadas em 2014, a oposição foi reduzida para 16 ocupantes. Perguntado sobre quem seria o responsável pela derrota, o líder minimizou qualquer crítica a José Ronaldo (DEM) e ACM Neto (DEM), candidato ao governo e articulador da campanha do grupo.

“O responsável é o povo que deu a sua posição. A gente [oposição na AL-BA] não conseguiu um bom desempenho durante a campanha e o nosso candidato a governador também não teve esperança de vitória”, falou. “Porém, José Ronaldo foi uma boa escolha [de candidato]. Um nome experimentado, mas o nome não representou muito bem e o povo preferiu manter o projeto de uma majoritária que já estava no poder”, completou Ribeiro.

No início do processo eleitoral, a desistência de ACM Neto em disputar o governo foi motivo de atrito entre aliados, sobretudo candidatos a AL-BA que acreditavam que a escolha do prefeito de Salvador poderia atrapalhar a eleição da oposição. Na época, porém, Ribeiro defendeu que a bancada aumentaria em 2018 .

Adversário de Ribeiro dentro da AL-BA, o líder da maioria, o deputado estadual Zé Neto (PT), lamentou a não eleição do colega. “Luciano Ribeiro é um deputado muito preparado e disposto a debater. Um político seguro de suas convicções e muito coerente. É lamentável que a Casa Legislativa perca um deputado desse”, discursou Zé Neto.

Informações do Bahia Notícias