Nilo Coelho, ex-prefeito de Guanambi, é condenado por forjar licitação para locação de caminhões


A pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal condenou o ex-prefeito de Guanambi, Nilo Coelho (PSDB), e os membros da comissão de licitação, Elisângela Alves Teixeira, David Xavier Souza Júnior e Alencastre Honório Moura, por improbidade administrativa, ao forjar licitação para locação de caminhões em 2009. O valor estimado para a contratação ultrapassou R$ 4 milhões. Segundo o órgão, os réus realizaram licitação de fachada para forjar competição entre falsos participantes para locação de 20 caminhões tipo basculante. Na ação, o MPF apontou diversas irregularidades no edital e no processo de licitação, como restrições indevidas que impediam a ampla participação de interessados. A investigação concluiu que o procedimento licitatório foi realizado para mascarar a contratação direta. Os acionados foram condenados por improbidade administrativa que causa lesão ao erário – por frustrar a licitude de processo licitatório – e também por ofensa aos princípios da administração pública. Além da suspensão dos direitos políticos por cinco anos, a Justiça determinou a todos os condenados o pagamento de multa de três vezes o valor da última remuneração recebida na gestão de Nilo Coelho à frente de Guanambi e a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios e incentivos fiscais ou creditícios por cinco.

 

Informações do Sudoeste Bahia

Paulo Guedes: Quem fica 16 anos no poder não tem direito de perguntar onde estão os empregos


Na sua audiência na comissão especial da reforma da Previdência, Paulo Guedes já começou rebatendo as críticas de Jandira Feghali. O ministro da Economia disse que não dá para quem ficou 12 anos no poder exigir providências imediatas para consertar os estragos feitos.

Segundo o ministro a “velha” Previdência é uma “fábrica de privilégios” e uma “máquina perversa de transferência de renda”.


Senador Angelo Coronel quer estender para 6 anos mandatos  de  prefeito e vereador 


O senador Angelo Coronel (PSD) afirmou hoje (6), durante encontro estadual do PSD, que está recolhendo assinaturas de colegas na Câmara para apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que possibilite estender por dois anos os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores do país. O objetivo, segundo ele, é unificar as eleições para todos os cargos em 2022. Para ele, a medida também iria gerar economia de recursos públicos.

Encontro com Moro

Coronel estará com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, nesta terça (7). “Ele me convidou para tomar um café. Não sei qual será o assunto. Espero que não seja para me prender”, disse.


Jaques Wagner não descarta disputar governo estadual “se for pela unidade do grupo


Diante das especulações em torno do seu nome para disputar o governo estadual em 2022, em substituição ao governador Rui Costa (PT), o senador Jaques Wagner (PT) confirmou que se for pela necessidade de unidade do grupo a possibilidade de seu nome ser lançado para a disputa não está descartada. “Já disse que a possibilidade que tem de o meu nome vir para 2022 é se for uma necessidade de unidade do grupo”, disse Wagner ao site BNews.

Ele ainda disse que: “Acho que é importante que a nossa primeira linha de frente: eu, Otto [Alencar] e Leão [João] cumpra um papel importante, mas eu estou querendo manter esse grupo unido e acho que se a gente chegar coeso em 2022, dificilmente a gente perderá ou deixará de fazer uma bela disputa. Essa é minha preocupação, mas trabalho pela renovação”, admitiu o ex-governador em conversa com reportagem. Com informações do site BNews.


21 prefeitos participantes do consórcio do Alto Sertão reuniram-se para questionar o descaso do governo com a saúde pública regional


Prefeitos participantes do Consórcio da Policlina Regional do Alto Sertão/Foto: Caetano Augusto

 

Ocorreu na manhã desta terça-feira (30), uma reunião com os prefeitos dos  municípios consorciados da  Policlínica de Guanambi, o intuito do encontro foi reivindicar melhorias na saúde da região. As pautas colocadas em debates foram, atendimento precário e descaso no Hospital Regional de Guanambi, demora com mais de 40 dias para realizar cirurgia ortopédica, favorecimento ao município de Guanambi na marcação de exames.

A situação tem deixado os 21 municípios em situação precária, pois esses atendimentos deveriam ser prioridades de toda população, pois as 21 cidades contribuem com 60% dos custos gerados pela instituição médica.

O site Sertão Em Dia esteve presente no encontro, o prefeito da cidade de Candiba ressaltou ” estamos buscando melhorias para o atendimento da nossa região, hoje não luto só  por Candiba e sim por toda região, assim como nossos colegas prefeitos, precisamos melhorar o atendimento do Hospital Regional, um atendimento que é visado apenas para um município que complica a transferência de outras cidades”.

Os gestores frisaram que o encontro das reivindicações não tem viés político ou eleitoreiro, são vidas que estão em jogo, a fila da morte não pode acontecer dentro do Hospital Regional.

O prefeito do Município de Urandi frisou , “eu como presidente do Consórcio Municipal de Saúde, autorizei esta reunião para discutir a atual situação do Hospital Regional de Guanambi, fizeram as indicações dentro do gabinete sem consultar o consócio, não sentando com os prefeitos, quando um único município no meio de 21 indica os diretores do Hospital Regional,  com certeza vai continuar acontecendo este descaso com nossas cidades, sempre Guanambi sendo  privilegiado e o restante esquecido, a cidade de Guanambi utiliza o regional como Hospital Municipal. Para ter uma ideia, se uma pessoa quebra uma perna em Guanambi, não precisa de regulação e nem de ir para o sistema, mas se for ao contrário, o paciente tem que fazer o primeiro atendimento na cidade e fazer uma regulação”.

José Roberto Neves, Beto Maradona, prefeito de Caculé destacou em sua rede social, ” Decidimos marcar uma audiência com o Governador Rui Costa para tratar do assunto. Vamos torcer para que Rui “corre” e marca logo esta audiência porque senão o povo vai morrer na fila.  A situação é pior do que uma GUERRA! Pacientes estão esperando mais de 40 dias para uma cirurgia ortopédica, quando não vai a óbito”.