PF faz buscas contra governador do Amazonas e tenta prender secretário da saúde em investigação sobre suspeita de fraude na pandemia


A Polícia Federal deflagrou nesta quarta, 2, a quarta fase da Operação Sangria para investigar supostas fraudes e superfaturamento em contrato para instalação do hospital de campanha no Amazonas. A ofensiva supostos crimes de organização criminosa, fraude a licitação e desvio de recursos públicos envolvendo empresários e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do Estado. Agentes fazem buscas na casa e no gabinete do governador Wilson Lima e tentar executar uma ordem de prisão contra o secretário de Saúde, Marcellus Campelo.

Ao todo, agentes cumprem seis mandados de prisão temporária e vasculham 19 endereços em Manaus (AM) e em Porto Alegre (RS). As ordens foram expedidas pelo Superior Tribunal de Justiça, que determinou ainda o sequestro de bens e valores dos investigados.

Durante o cumprimento de uma das ordens de prisão, contra o empresário Nilton Lins, a PF foi recebida a tiros. Ninguém ficou ferido. O caso foi comentado pela subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, durante a sessão da corte Especial do STJ realizada na manhã desta terça, 2. Lindôra disse que a situação foi ‘bastante constrangedora’, ‘perigosa’ e suis ‘generis’.

De acordo com as investigações, ‘há indícios de que funcionários do alto escalão da Secretaria de Saúde do Amazonas realizaram contratação fraudulenta para favorecer grupo de empresários locais, sob orientação da cúpula do Governo do Estado, de um hospital de campanha’.

“Verificou-se, ainda, que contratos das áreas de conservação e limpeza, lavanderia hospitalar e diagnóstico por imagem, todos os três firmados em janeiro de 2021 com o Governo do Amazonas, cujos serviços são prestados em apoio ao hospital de campanha, contêm indícios de montagem e direcionamento de procedimento licitatório, prática de sobrepreço e não prestação de serviços contratados”, indicou ainda a PF em nota.


Rui Costa aumenta ICSM sobre os combustíveis pela quinta vez em 2021


Foi denunciado nesta segunda-feira (31) o quinta aumento consecutivo, pelo governo do estado, do imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação (ICMS) em relação aos combustíveis na Bahia. O crescimento vai de 11% a 23%, a depender do tipo de combustível, de acordo com novo ato do Comissão Técnica Permanente do ICMS (Cotepe).

“Eu venho aqui denunciando sistematicamente o aumento abusivo por parte do governo com relação ao ICMS. E mais uma vez, pela quinta vez consecutiva somente este ano, um novo aumento no preço dos combustíveis”, afirmou o deputado Paulo Câmara.

Com a decisão do governo, o diesel vai aumentar 15%; a gasolina, 11%; o etanol, 13%; e o gás, 23%. “Imagine você taxista, você motorista de Uber, hoje com 23% de aumento no gás? Como é que aguenta, como é que vai sobreviver? Com a crise econômica, social, sanitária, isso é hora de aumentar imposto?”, criticou.

Para ele, o aumento prejudica aqueles que produzem, geram emprego e os que mais precisam. “Isso é hora de o governo dar a mão aos que mais precisam, mas infelizmente esse governo só faz isso: sobrecarregar o empresariado, o comerciante e prejudicar aqueles que mais precisam do seu veículo para sobreviver. Esses são os 16 anos de governo do PT da Bahia. A Bahia precisa avançar”, pontuou.

Informações do Bahia Política


Rui Costa desconversa fala do Secretário de Saúde, afirmando que não há hipótese de fechar fábricas de cerveja na Bahia


O governador da Bahia, Rui Costa, disse na manhã desta segunda-feira (24), que não vai fechar as fábricas que produzem cerveja no estado, mas não garantiu o mesmo para bares que registram aglomerações.

“Não há hipótese de fechar nenhuma cervejaria. O que eu quero é não fechar nada, mas para isso eu preciso da ajuda de todo mundo”, disse Rui Costa.

“Então, eu preciso, inclusive, da ajuda de donos de bares e restaurantes. Eu tenho recebido dezenas de imagens e aqui para nós, o segmento não está ajudando, porque infelizmente não está respeitando os decretos municipais que definem limite de ocupação, que definem o padrão de afastamento social”, ressaltou o governador da Bahia.

A declaração foi feita após o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, dizer que o governo estadual pode decretar medidas ainda mais rigorosas caso o número de pessoas que precisem de leitos de Unidade Terapia Intensiva (UTI) siga em crescimento nesta semana.

Fábio Vilas-Boas afirmou que “vai chegar o momento de que nós teremos que proibir a comercialização de bebidas, chegará o dia que nós teremos que fechar fábricas de cerveja na Bahia”.

Nas redes sociais, após a participação no Jornal da Manhã, programa da TV Bahia, o secretário afirmou que não sugeriu o fechamento das fábricas de cerveja e que o comentário dele foi um “mero exercício de retórica”, porque 2020 foi o ano que mais vendeu cerveja e o papel do álcool nas aglomerações.


Bolsonaro diz que cadastro do Bolsa Família será feito por aplicativo, em vez de prefeituras


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou que as inscrições do Bolsa Família vão passar a ser feitas por meio de um aplicativo e não mais pelas prefeituras. Bolsonaro afirmou que uma nova versão do programa está quase pronta, mas não deu mais detalhes.
“Está quase pronto também a questão do novo Bolsa Família. E mais ainda, brevemente a inclusão no Bolsa Família não será mais procurando prefeituras pelo Brasil. Será feito através de um aplicativo “, disse o presidente.

FHC e Lula se encontram em São Paulo


Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Lula (PT) se encontraram na semana passada em São Paulo, durante um almoço da casa do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Nelson Jobim.

Os dois ex-presidentes não se encontravam pessoalmente desde 2017, quando FHC visitou Lula no hospital, na ocasião em que o petista tinha acabado de perder a esposa, dona Marisa Letícia. Ela morreu após sofrer um acidente vascular cerebral hemorrágico, provocado pelo rompimento de um aneurisma.

A foto do novo encontro foi postada nesta sexta-feira (21) nas redes sociais de Lula, que disse ter tido “uma longa conversa sobre o Brasil, sobre nossa democracia, e o descaso do governo Bolsonaro no enfrentamento da pandemia” com o tucano.

Os dois ex-presidentes foram adversários políticos em duas eleições presidenciais, 1994 e 1998, vencidas por FHC. Nas eleições seguintes, Lula derrotou os dois candidatos do PSDB, José Serra (2002) e Geraldo Alckmin (2006), tendo sido igualmente reeleito presidente da República.