Urgente: Marcelo Odebrecht relata pagamento de R$ 13 mi em espécie para Lula


O empresário Marcelo Odebrecht prestou nesta segunda (10) o primeiro depoimento ao juiz Sergio Moro depois de fechar delação premiada.

Herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo reafirmou que Lula tinha o apelido de “Amigo” em suas anotações, segundo a Folha apurou.

Ele detalhou que a empreiteira tinha uma conta com esse codinome usada para fazer repasses vinculados ao ex-presidente.
Entre os repasses informados por Marcelo no depoimento estão pagamentos feitos ao Instituto Lula que seriam usados em um prédio que abrigaria a entidade e também R$ 50 milhões direcionados à campanha de Dilma Rousseff por meio do ex-ministro Guido Mantega.

Ele também relatou o repasse de R$ 13 milhões em espécie que teriam sido entregues ao ex-presidente. Segundo a Folha apurou, o empresário disse que o dinheiro saiu da conta “Amigo” e foi pago em parcelas ao longo de 2012 e 2013. Na planilha da Odebrecht esses pagamentos aparecem associados a “Programa B”, referência a Branislav Kontic, assessor do ex-ministro Antonio Palocci, e está dividido em seis vezes.

A reportagem apurou que Marcelo reafirmou que Palocci, que foi ministro nas gestões Lula e Dilma Rousseff, era o “Italiano” apontado em planilha de repasses de propina da empresa.

O empresário detalhou os mecanismos de pagamento de vantagens indevidas a Palocci que, segundo ele, era o principal interlocutor da empresa no governo Lula.

A íntegra do depoimento está sob sigilo, assim como o acordo de delação premiada dos executivos da empreiteira, que ainda não foi tornado público pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

O interrogatório fez parte da ação contra Palocci, acusado de interceder em favor dos interesses da empreiteira. Ele foi mencionado em planilhas apreendidas na empreiteira que demonstram o pagamento de R$ 128 milhões em vantagens indevidas, segundo a denúncia.

Marcelo apontou Mantega como o sucessor de Palocci no contato com a Odebrecht, sendo ele o “Pós-Itália” na planilha apreendida pela PF.

O advogado Nabor Bulhões, que defende Marcelo, não conversou com a imprensa sobre a audiência. Durante o interrogatório, Moro foi informado da publicação de trechos da audiência na imprensa. Ele prometeu apurar o vazamento.

Por: Folha de SP


Planalto avalia que Renan está isolado; senador pode deixar liderança do governo


O líder do governo no Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), está cada vez mais isolado. Pelo menos é essa a avaliação feita pelo Palácio do Planalto em razão da postura oposicionista do senador. De acordo com o colunista Gerson Camarotti, do G1, correligionários do alagoano relatam que cresce a impaciência dos colegas com o ex-presidente do Congresso, inclusive com relatos ao núcleo palaciano. “Em caso extremo, Renan pode até ser destituído do cargo de líder”, avaliou um auxiliar direto de Temer. A estratégia, segundo a publicação, é ampliar o isolamento de Renan na bancada, onde hoje possui apoio de apenas cinco senadores fiéis – entre eles Kátia Abreu (TO) e Eduardo Braga (AM), ambos ex-ministros de Dilma, e Hélio José (DF). “Neste momento, Renan só está pensando em fazer um discurso fácil para conseguir a reeleição. Ele está escolhendo esse caminho”, comentou um ministro, em referência ao discurso de Renan contra a reforma da Previdência. O governo concluiu que o senador faz um movimento desesperado para conseguir votos em 2018, já que pesquisas indicam que ele corre o risco de perder a disputa.

Ba Noticias


AL-BA aprova por unanimidade PEC que proíbe reeleição para presidência e Mesa Diretora


A Assembleia Legislativa da Bahia aprovou nesta quarta-feira (5), com unanimidade, em dois turnos, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que põe fim à reeleição para presidência e demais cargos na Mesa Diretora da Casa no pleito subsequente. O projeto recebeu o “sim” de 46 deputados estaduais no primeiro turno e, no segundo, de 47 parlamentares. A medida, todavia, não atinge o deputado Angelo Coronel (PSD), presidente da AL-BA, e os atuais diretores da Casa, pois proíbe a reeleição subsequente apenas numa mesma legislatura. Caso reeleitos para o legislativo baiano em 2018, os atuais ocupantes da mesa seriam candidatos em uma nova legislatura, o que não é vedado pela PEC. De autoria do deputado Adolfo Menezes (PSD), o projeto seria votado em fevereiro deste ano, mas não foi apreciada por causa de série de questionamentos sobre a impossibilidade de votação da matéria. Entre as reclamações, estava a ausência da publicação do texto no Diário Oficial. A matéria foi uma das principais plataformas de campanha do social-democrata à presidência da AL-BA.

BA Noticias


ACM Neto diz que CPI do Centro de Convenções não é ‘irrelevante’: ‘Decisões equivocadas’


[et_pb_section bb_built=”1″ admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Texto”]

Lofo após a fala de Rui Costa, governador da Bahia, o prefeito de Salvador salientou, ACM Neto, certificou  que “não pode considerar o tema irrelevante”, como sugeriu o governador Rui Costa . “Foram colocados lá dezenas de milhões de reais e até hoje nenhuma solução foi dada. A verdade é que, com decisões equivocadas do governo do estado, ao longo dos últimos 10 anos, enterrou-se dinheiro público, dinheiro do cidadão e do contribuinte baiano no Centro de Convenções para a gente sequer ter um equipamento na cidade”, avaliou o gestor soteropolitano nesta quarta-feira (5), durante a inauguração do Mercado de Água de Meninos. “Eu acho que a CPI pode ajudar sim a elucidar uma série de fatos”, firmou ACM Neto.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]


Palocci pensa em delação e irrita ex-presidente Lula


Preso há cinco meses na superintendência da PF em Curitiba, Antonio Palocci avalia fazer delação premiada. Ele é acusado de receber propina da Odebrecht para atuar em favor da empresa, entre 2006 e 2013, interferindo em decisões do governo federal. A disposição de Palocci causa desconforto ao ex-presidente Lula. O petista fez chegar à defesa de Palocci sua insatisfação e um pedido de que controlem o cliente. Nenhum dos petistas presos em Curitiba fez delação. Consequência: José Dirceu foi condenado a 23 anos e Vaccari Neto a 15 anos.
O criminalista José Roberto Batochio, que defende Antonio Palocci, nega qualquer conversa com Lula nesse sentido e que seu cliente cogite fazer delação.

Por Estadão