Tragédia Brumadinho: Casas das vitimas são saqueadas após serem abandonadas


Absurdo! Casas de vítimas são saqueadas em meio à tragédia de Brumadinho.

Por incrível que pareça, na noite da última sexta-feira (08) um casal foi preso pela Polícia de Brumadinho com a suspeita de ter feito saques em imóveis vazios e devastados pelo trágico crime do rompimento de rejeitos da barragem da Vale.

Um homem de 29 anos e uma mulher de 39 foram presos pela polícia após o recebimento de diversas denúncias de saques na região. Eles foram flagrados próximos ao bairro Parque da Cachoeira, um dos pontos atingidos pela lama da barragem.

De acordo com informações fornecidas pela Polícia Civil de Brumadinho, os dois suspeitos estavam com três motos, uma furadeira elétrica, materiais de construção e ferramentas sendo que todas esses bens foram apreendidos.

Fazendo uso de motocicletas, os meliantes foram flagrados pela polícia fazendo saques, além dos dois detidos, outros dois homens foram flagrados, no entanto, conseguiram se embrenhar numa mata próxima ao local da ocorrência e empreenderam fuga.

Os dois detidos foram soltos logo em seguida, após prestarem depoimento. Questionados sobre os fugitivos, ambos disseram desconhecer a identidade. O fato é que saques estão sendo feitos na zona atingida pela tragédia e denuncias estão são recebidas todos os dias.

Devido ao grande número de reclamações e denúncias, o efetivo policial da região foi aumentado para 250, policias estes que foram deslocados de outras cidades próximas.

O mais impressionante é que em um momento de tanta dor e desespero de parentes e amigos, ainda existem pessoas capazes saquear o pouco que restou da áreas atingidas pela lama. Inacreditável.

Reportagem / Roberio Fernandes / Sertão em Dia

Fotos : Roberio Fernandes

Aviso: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não reflete a opinião deste site. Todos os comentários são moderados e nos reservamos o direito de excluir mensagens consideradas inadequadas com conteúdo ofensivo como palavrões ou ofensa direcionadas a pessoas ou instituições. Além disso, não serão permitidos comentários com propaganda (spam) e links que não correspondam ao post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *