Cidades do interior do Brasil se tornam epicentro da Covid-19


Sem leitos de terapia intensiva ou equipamentos essenciais para tratar pacientes da Covid-19, as cidades do interior do Brasil se tornaram o epicentro da doença provocada pelo coronavírus e podem provocar um “tsunami” de novos casos nas capitais, à medida que pessoas em estado grave dependem dos grandes centros para receber atendimento, alertaram especialistas.

Depois de chegar ao país pelos aeroportos das capitais e se espalhar pelas grandes cidades e suas regiões metropolitanas, o novo coronavírus passou a circular nas últimas semanas com mais força nas cidades menores, onde há profunda carência de atendimento hospitalar, aumentando os riscos de um número cada vez mais alto de óbitos em decorrência do vírus que já matou quase 55 mil brasileiros em quatro meses.

Somente 9,6% dos municípios do país (536 de um total de 5.570) têm leitos de UTI, e o número cai para apenas 421 cidades quando se trata de unidades de terapia intensiva simultaneamente com equipamentos importantes para o cuidado hospitalar de alta complexidade, de acordo com estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com dados de fevereiro.

A epidemia da Covid-19 passou a atingir o interior com mais força do que as capitais a partir da semana epidemiológica de número 21, encerrada em 23 de maio. Na semana passada, 60% de todos os casos novos da doença no país foram registrados em cidades menores, em uma brusca mudança em relação a abril, quando a epidemia estava concentrada 65% nas capitais, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Aviso: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não reflete a opinião deste site. Todos os comentários são moderados e nos reservamos o direito de excluir mensagens consideradas inadequadas com conteúdo ofensivo como palavrões ou ofensa direcionadas a pessoas ou instituições. Além disso, não serão permitidos comentários com propaganda (spam) e links que não correspondam ao post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *